Escrito emoutubro 2015

Sobre Como Tratar Meu Filho – Parte I

Sempre digo e faço questão de repetir que detesto esta neura politicamente correta que escaneia palavra por palavra textos humorísticos, jornalísticos ou bloguísticos. Na boa? Tenho mais o que fazer. Já fui deletada da vida de um amigo, que também tem uma filha com síndrome de down, porque não aderi a uma campanha contra o Rafinha Bastos. Algo a ver com uma piada que o cara fez sobre camisinhas que retardam o orgasmo e a APAE. Sacou? Camisinha, pinto, retardo, APAE? Então. Na minha opinião, uma piada sem graça. Péssima. Mas daí a me sentir ofendida e querer entrar em…

1,038 total views, 2 views today

As Primeiras Descobertas do Segundo Filho

Quando engravidei da Helena, minha caçula, a maioria das minhas amigas só tinha um filho. E várias perguntavam: “Não dá medo de não amar este segundo filho como você já ama o primeiro”? E eu respondia: “Não! Nunca! Imagina”! Mas era resposta pronta. A resposta que eu achava que tinha que dar. A grande verdade é que eu me perguntava a mesma coisa. O tempo todo. Caramba, será que dá para amar tanto, tanto assim, duas pessoas? Se mães de filhos típicos já se fazem esta pergunta, imagine eu, que tinha um filho com síndrome de down? Filho que me…

673 total views, 2 views today

Sobre o Uso Correto dos Pronomes

Eles. Pronome pessoal da terceira pessoa no plural. Quatro letrinhas. Muito provavelmente a palavra mais ouvida por quem tem um filho com síndrome de down. Eles são especiais. Eles são muito carinhosos. Eles têm muito interesse por música. Eles são um presente. Eles, eles, eles. Frases sempre ditas com as melhores intenções. Não quero entrar na questão do politicamente correto. Não sou politicamente correta. Detesto essa demagogia toda. Quando alguém engole a palavra “problema” no meio de uma frase sobre o Mateus, sempre digo que que está tudo bem e que a pessoa pode terminar o que estava dizendo. Mateus…

919 total views, 2 views today

Sobre A Grande Cagada

Nova York. Junho de 2012. Ana e Marcelo, eu e meu marido, em um momento perfeito. Curtindo a tradicional viagem para comprar o enxoval do bebê. “Baby Moon”, segundo o dicionário da maternidade moderna premium. Dias lindos, hotel maravilhoso, restaurantes premiados e um apetite de grávida que deixava tudo ainda mais gostoso. Engordei 5 quilos naquela viagem. Mas entre tantas estrelas Michelin, o que marcou mesmo foi um café da manhã, quando, devorando algumas autênticas e gordas panquecas americanas, resolvi abrir o jogo: “Estou tão feliz, tudo parece tão certo, que tenho medo de um dia acontecer uma grande cagada…

1,129 total views, 1 views today

Mãe especial? Não, obrigada.

Filhos especiais vêm para pais especiais. Esta é, de longe, a frase que mais tenho escutado desde o nascimento do Mateus. Sempre dita com muito carinho pelos amigos ou com a melhor das intenções por desconhecidos. Mas desde o primeiro momento, me recuso a concordar com ela. Assim como não quero e não vou me sentir por baixo por ter um filho com síndrome de down, também não acho que devo me sentir por cima. Não sou melhor que nenhuma de minhas amigas, parentes ou conhecidas que tiveram filhos típicos. Mas também já desisti da argumentação. Agora, escuto a frase, agradeço…

883 total views, 4 views today

Sobre O Eterno Companheiro

Este é mais um texto da série “Frases Que Ouvimos Com Frequência Quando Temos um Filho com Síndrome de Down”. Estou falando desta aqui: ele será seu eterno companheiro. Mais uma frase dita com a melhor das intenções, mas com um sentido totalmente equivocado. Desculpe se, por acaso, você é uma das pessoas que me falou isso. Quero deixar claro que você não me ofendeu, nem entrou para a minha lista negra. Compreendo perfeitamente a dificuldade em encontrar as palavras certas para demonstrar apoio em uma situação nova, totalmente desconhecida. Mas esta frase é realmente ruim, faz eu sentir uma…

1,044 total views, 3 views today

Sobre Sustos e Sorrisos

Aconteceu 24 horas depois do parto. O médico entrou no meu quarto e ficou zanzando de lá pra cá cheio de conversa mole. Mas não desconfiei. Ele estava esperando meu marido voltar do jantar para dar a notícia. Para mim, porque meu marido já sabia. Imagina a situação: você, no restaurante do hospital, finalmente tomando um drink com seus amigos. Feliz da vida, celebrando seu primeiro filho. De repente, surgem o ginecologista e o pediatra pedindo para conversar ali fora. Fico pensando no que passou pela cabeça e pelo coração dele. Pior, imagino como ele se sentiu ao voltar para…

917 total views, 2 views today